Urbanização Sumbe Verde
A partir da necessidade de crescimento da cidade do Sumbe e o défice de alojamento que existe na actualidade propôs-se um desenvolvimento residencial com crescimento de 1000 casas.
O esquema de desenvolvimento está formado por cinco módulos de duzentas casas que por sua vez se dividem em quatro módulos de cinquenta. Cada grupo de 200 casas desenvolve-se ao redor de um espaço central destinado para actividades desportivas, lúdicas, de descanso, de lazer e de convivência. Estes espaços centrais estão interligados entre si, gerando um grande parque continuo com ciclovias, e pistas de jooging oferecendo assim um espaço publico de grande qualidade aos seus habitantes. No seu perímetro o conjunto estará limitado por edifícios comerciais e de serviços, os quais terão acesso desde o exterior e estando a disposição das necessidades tanto dos moradores pela proximidade das casas como das pessoas de passagem. Os acessos ao conjunto poderão ser controlados no caso de se optar por uma solução fechada (do tipo condomínio) e estarão distribuídos pelo perímetro oferecendo um serviço independente a cada modulo de 200 casas.

A distribuição das casas foi pensada de forma hiérarquica. Na franja central e em relação directa com o espaço publico/parque estarão os lotes de maior dimensão (T4 de luxo), e nas franjas laterais em relação com os edifícios comerciais e de serviço estarão as T4 normais e as T3 geminadas. Cada modulo de 50 casas estará composto por 10 lotes T4 de luxo (750m² lote), 20 lotes T4 normais (500m² lote) e 20 lotes de T3 geminadas (250m² lote),

Em termos conceituais a urbanização baseia-se no conceito da cidade jardín na qual o morador tem uma relação muito estreita com a natureza no seu dia a dia proporcionando uma qualidade de vida incomparável. Do “Verde” que dá nome à urbanização entende-se também o conceito de sustentabilidade, conceito que se pretende implementar ao máximo nesta urbanização de forma a minimizar as dependências habituais de energia e agua. Para tal utilizar-se há paneis solares, coberturas ajardinadas com colectores de agua etc.

Localização: Sumbe, Angola
Ano: 2012
Área: 1.000 casas
Arquiteto colaborador: Irving de la Rosa